Basquete em cadeira de rodas. Primeira modalidade Paraolímpica brasileira.

por | 6 fev, 2011 | Esporte e Aventura adaptada | 12 Comentários

O basquete em cadeira de rodas começou a ser praticado nos Estados Unidos, em 1945. Os jogadores eram ex-soldados do exército norte-americano feridos durante a 2ª Guerra Mundial. A modalidade é uma das poucas que esteve presente em todas as edições dos Jogos Paraolímpicos. As mulheres disputaram a primeira Paraolimpíada em Tel Aviv, no ano de 1968. O basquete em cadeira de rodas foi a primeira modalidade paraolímpica a ser praticada no Brasil, em 1958.

Os principais responsáveis pelos primeiros passos foram Sérgio del Grande e Robson Sampaio que, ao retornarem de um programa de reabilitação nos Estados Unidos, trouxeram esta modalidade para São Paulo e Rio de Janeiro. Em função da receptividade desta modalidade, Robson funda no Rio de Janeiro o Clube do Otimismo e Del Grande funda em São Paulo o Clube dos Paraplégicos em 28 de julho de 1958. O primeiro jogo de basquetebol em cadeira de rodas entre equipes brasileiras ocorreu em um confronto entre paulistas e cariocas, no Ginásio do Maracanãzinho (RJ). Os paulistas venceram. Nos anos de 1960 e 1961, mais dois confrontos ocorreram, sendo dessa vez a equipe carioca vencedora. Desde então, a competição desta modalidade no Brasil tem-se tornado cada vez mais popular.

O Brasil foi representado na modalidade pela primeira vez em uma Paraolimpíada, em 1972, na cidade de Heidelberg, Alemanha Ocidental. A partir daí, as participações brasileiras tornaram-se efetivas. Nos II Jogos Parapan-americanos, em Mar Del Plata, em 2003, a seleção brasileira masculina conquistou uma vaga para Atenas 2004 retornando a uma edição de Jogos Paraolímpicos após 16 anos de ausência. Já a seleção feminina participou apenas dos Jogos de Atlanta 1996. No Parapan do Rio de Janeiro, em 2007, o Brasil conquistou o 4º lugar no feminino e o 3º no masculino.

A modalidade é praticada por atletas de ambos os sexos que tenham alguma deficiência físico-motora, sob as regras adaptadas da Federação Internacional de Basquete em Cadeira de Rodas (IWBF). As cadeiras são adaptadas e padronizadas, conforme previsto na regra. A cada dois toques na cadeira, o jogador deve quicar, passar ou arremessar a bola. As dimensões da quadra e a altura da cesta são as mesmas do basquete olímpico.

A primeira entidade nacional a dirigir esta modalidade foi a Abradecar (Associação Brasileira de Desporto em Cadeira de Rodas) até o ano de 1997. Neste mesmo ano, em função do aumento no número de equipes, surgiu a necessidade de criar-se uma entidade máxima para coordenar, normalizar e incrementar a prática desta modalidade no Brasil. Surgindo assim a Confederação Brasileira de Basquetebol em Cadeira de Rodas (CBBC), que atualmente administra a modalidade no Brasil.

Classificação

Cada atleta é classificado de acordo com seu comprometimento físico-motor e a escala obedece aos números 1, 2, 3, 4 e 4,5. Para facilitar a classificação e participação dos atletas que apresentam qualidades de uma e outra classe distinta (os chamados casos limítrofes) foram criadas classes intermediárias: 1,5; 2,5 e 3,5. O número máximo de pontuação em quadra não pode ultrapassar 14 e vale a regra de que quanto maior a deficiência, menor a classe.

Fonte: CPB

Compartilhe

Use os ícones flutuantes na borda lateral esquerda desta página

Envolva-se em nosso conteúdo, seus comentários são bem-vindos!

7

12 Comentários

  1. VICTORIA BEATRIZ

    GOSTEI MUITO DESSE SITE,TIVE QUE FAZE UM TRABALHO DA ESCOLA ESSE FOI O ÚNICO QUE ME AJUDOU!!!*-*

    Responder
      • junior barros

        kkkkkkkkk sobre o assunto do texto

        Responder
    • Andrielle

      Eu tbm tive que fazer um trabalho da escola…

      Responder
    • john

      Eu também chuchu kkkk

      Responder
  2. Ana Letícia Kruklis

    Muito bom! Tive que fazer um trabalho sobre basquete adaptado e esse site ajudou muito! =D

    Responder
  3. Jujuba

    Olá, adorei o texto, tinha 1 trabalho e ganhei um 10.0 graças a vc! Muito obrigada! =D

    Responder
      • Ari

        Moro em Caxias e tenho um projeto de Basquete. Gostaria de trazer tbm esse projeto de Basquete p cá deirante. Como faço ?

        Responder
        • Ricardo Shimosakai

          Os locais são os mesmos, o que precisa é cada um ter sua cadeira de rodas. As regras são um pouco diferentes. Procure clubes de paradesporto, ou a confederação brasileira, eles podem te auxiliar melhor. Sucesso!

          Responder
  4. aderimar

    Eu amei porque eu tenho a feira do conhecimento e e das paraolimpiedas

    Responder
  5. cristina

    eu também vou fazer um trabalho da escola sobre os equipamentos alguém pode me ajudar sobre os equipamentos?

    Responder

Deixe uma resposta

Artigos relacionados

Pin It on Pinterest

Shares
Share This
%d blogueiros gostam disto: