Berna na Suíça, oferece passeios projetados para cegos e deficientes visuais

por | 19 dez, 2012 | Acessibilidade | 2 Comentários

Como em todos os passeios a pé organizado pelo escritório de turismo, este começa na estação ferroviária, onde os visitantes da cidade conhecem seu guia que irá equipá-los com um pequeno mapa. Um mapa em relevo com os locais-chave marcados em braille é colocado nas mãos dos três cegos e deficientes visuais no grupo.

O passeio de duas horas leva aos principais locais: a catedral, a Torre do Relógio Velho conhecido como o “Zytglogge”, as arcadas e as muitas fontes. Mas isso é onde terminam as semelhanças. Cada um dos guias têm um treinamento especial recebido para aprender a colocar a tónica sobre os cheiros, sons e sentidos da parte antiga de Berna.

“Até agora, as pessoas cegas tinham que participar de excursões normais”, explica René Mathys da Federação Suíça dos Cegos e Deficientes Visuais.

“Mas isso nunca lhes deu o tempo de que precisavam para ter uma noção das atrações em que eram conduzidos, uma vez que eles têm que confiar em suas mãos e as orelhas.”

Passeios especializados

Foi a federação que convenceu o escritório de turismo a oferecer os passeios especializados.

“A maioria dos turistas dependem quase completamente em sua visão, eles raramente tocam nada e muitas vezes se esquecem de usar o sentido do olfato”, acrescenta Mathys.

“O que precisamos são explicações – as descrições dos edifícios, por exemplo”, diz Roger Cosandey, que é cego desde jovem.

Cosandey é de Lausanne e vai muitas vezes para Berna, em negócio. Mas esta é a primeira vez que ele se inscreveu para um passeio a pé da Cidade Velha.

“Seria um pouco decepcionante se o guia só dissesse ‘olhe para a esquerda, ou olhe para a direita”.

“Eu também não quero ouvir um guia entrar em muitos detalhes, pois eu quero fazer minhas próprias impressões, ouvindo sons e cheirando coisas diferentes.”

Roger Cosandey fica uma sensação para os paredões de arenito da Cidade Velha (swissinfo)

Experiência cega

O guia de Cosandey é Roland Morgenegg. Morgenegg está costumado a realizar passeios em Berna há quase 50 anos, mas esta é a primeira vez que suas indicações não têm sido capazes de descrever as paisagens que ele está mostrando-lhes.

“É uma vergonha que até agora não tenham tido turistas cegos em consideração”, diz Morgenegg.

Na catedral, Morgenegg leva o grupo para a parede para deixá-los sentir o arenito, o material usado para reconstruir a Cidade Velha, após um incêndio século 15. O grupo é então levado ao redor do lateral da catedral onde param acima do rio Aare para ouvir as suas rápidas águas correntes.

Morgenegg explica como os burgueses da cidade usada para aproveitar o poder do rio neste momento a conduzir suas fábricas, e como os antigos moinhos e fábricas são apartamentos hoje em dia na moda.

O galo cante

Dentro da torre do relógio, os visitantes cegos sabem mais sobre o funcionamento do Glockenspiel, e estão autorizados a trabalhar um fole que faz um galo mecânico cantar.

“Para nós só foram dadas três horas de treinamento por uma pessoa da federação de cegos, portanto foi na tentativa e erro para descobrir o que funciona e o que não funciona”, diz Morgenegg.

No entanto, Cosandey dá suas impressões principais de seu primeiro passeio cego. Um dos destaques para Cosandey é o passeio pelo mercado dos fazendeiros.

“Um mercado é sempre um lugar muito interessante por causa dos cheiros e sons diferentes”, comenta Cosandey, que diz que um mercado é geralmente a primeira coisa que ele procura quando viajar para o exterior.

“Os mercados em cada país são um pouco diferente. Eles têm diferentes frutas e legumes, e, claro, as línguas que você ouve são diferentes. “

O passeio termina de volta na estação ferroviária onde Morgenegg entregou nas mãos de cada membro do grupo um folheto informativo em braille das principais atrações da cidade velha, como uma lembrança de sua visita.

Fonte: Swissinfo

Compartilhe

Use os ícones flutuantes na borda lateral esquerda desta página

Envolva-se em nosso conteúdo, seus comentários são bem-vindos!

7

2 Comentários

  1. Paulo Gardinner

    «cegos» são os que vêm e não querem ver, os outros são invisuais portadores de deficiência! Quem escreveu o artigo e o titulou é, definitivamente, para além de um asno, um cego.

    Responder
    • Ricardo Shimosakai

      Quem escreveu, deve ser um brasileiro. E por isso, invisual não é um termo utilizado por brasileiros. Portadores de deficiência também é um termo que foi atualizado, e pela convenção da ONU, passou a se chamar Pessoa com Deficiência. Quando se quer referir a quem tem um problema na visão, se chama Deficiente Visual, o cego é quem não enxerga, e baixa visão quem tem alguma percepção.

      Responder

Deixe uma resposta

Artigos relacionados

Pin It on Pinterest

Shares
Share This
%d blogueiros gostam disto: