Cadeirantes viajam pelas Américas. Dois amigos enfrentam 45 mil km de aventuras.

por | 18 set, 2019 | Viagens e locais acessíveis | 0 Comentários

Essa é uma expedição que podemos dizer que foi feita em oito rodas. Os amigos e cadeirantes Michał Woroch e Maciej Kamiński completaram recentemente a jornada de 45.000 quilômetros com uma Land Rover Defender (Defe) de 1996 pelas Américas com a expedição WheelchairTrip.

Foram trezentos e doze dias, dois continentes, quinze países e centenas de horas atrás do volante, partindo de Ushuaia, extremo sul do continente, até outro extremo, Prudhoe Bay, no Alasca.

Michał Woroch, 34, sofre de atrofia muscular espinhal, e Maciej Kamiński, 35 anos, tem um tumor na coluna. Os dois se conheceram em um hospital.

Em 2 de agosto, a dupla orgulhosa escreveu no Facebook: “Conseguimos, conquistamos o Fim do Mundo. Nós dirigimos de Ushuaia através das duas Américas até Deadhorse no Alasca. Dois anos e meio trabalhando no projeto, 312 dias viajando e incontáveis ​​horas atrás do volante. Nós fizemos isso!”

A ideia do projeto de viagem em cadeira de rodas pelas Américas nasceu em 2014, embora não tenha sido a primeira jornada do gênero que os amigos fizeram. Anteriormente, eles viajaram pela Mongólia, Spitsbergen (Noruega), Europa Ocidental, Escandinávia e Índia. Essas viagens deram a eles a confiança para se desafiarem ainda mais.

Depois de comprar a Land Rover Defender, eles levaram dois anos para adaptá-la às suas necessidades. O carro foi transformado em uma casa móvel, com dois níveis de camas e elevadores para cadeiras de rodas.

A jornada teve seus perrengues. Um grave problema no motor, que aconteceu nos Estados Unidos, forçou-os a suspender a viagem, voltar para a Polônia, país onde vivem, e passar 10 meses consertando e se preparando para voltar.

De volta à estrada desde 13 de junho, com um novo motor instalado, dirigiram para o norte de Los Angeles para terminar o que começaram.

“Estamos no fim do mundo. Estou muito feliz, mas também muito cansado com esta viagem. Muitas vezes me perguntei se fazia sentido esgotar-me assim” disse Michal em um vídeo do Facebook.

Ele acrescentou: “Eu acho que há algo nele, que quando experimentamos algo difícil, então, naquele momento, queremos esquecer isso e nos levar a um lugar quente e seguro. Mas depois que conseguimos sair dessa situação difícil, nos lembramos dos momentos mais difíceis até o fim de nossas vidas e nos lembramos deles com carinho.”

Fonte: Go Outside

Compartilhe

Use os ícones flutuantes na borda lateral esquerda desta página

Envolva-se em nosso conteúdo, seus comentários são bem-vindos!

7

0 comentários

Deixe uma resposta

banner lateral acervo digital acessibilidade e inclusao no turismo
Booking.com
Book Hostels Online Now

Siga-me no Twitter

Artigos relacionados

Pin It on Pinterest

Shares
Share This