Comércio sem acessibilidade perde oportunidades. Fique atento!

por | 21 maio, 2019 | Turismo Adaptado | 2 Comentários

A indústria de viagens perderá uma “enorme oportunidade comercial” e um “futuro brilhante e otimista” se não se abrir às necessidades de clientes com mobilidade reduzida, de acordo com os principais líderes do setor de turismo acessível.

Essa foi a mensagem no Seminário de Viagem Acessível e Turismo da Abta, com a participação de operadores turísticos, agentes, conselhos de turismo e instituições de caridade.

O defensor do setor de turismo do governo para o setor de turismo, Chris Veitch, disse que atender clientes com necessidades de acessibilidade é uma “coisa realmente poderosa para se fazer negócios“.

“Existem benefícios para um negócio; devemos ver isso como uma ferramenta de negócios, melhorando a qualidade da experiência para os clientes”, disse Veitch, acrescentando que a indústria precisava parar de colocar os clientes com deficiência em uma categoria separada.

“Precisamos derrubar os rótulos; não há pessoas com deficiência; eles são apenas clientes, mas precisam que as empresas os entendam”.

Os benefícios para as empresas incluem maiores oportunidades de mercado; mais retorno de clientes e recomendações; responsabilidade social; melhor sustentabilidade financeira; e uma proposta única de venda, disse Veitch.

Angus Drummond, chefe executivo da operadora de turismo Limitless Travel, também pediu aos políticos para abraçar este setor, disse que vale a pena 12 bilhões de Libras Esterlinas (aproximadamente 62 bilhões de Reais Brasileiros) por ano só para o turismo do Reino Unido.

“Acredito que há uma enorme oportunidade no mercado para empresas que estão dispostas a abrir e atender pessoas com deficiência”, disse ele. “Eu não acho que [no momento] haja reconhecimento da indústria dos benefícios comerciais”.

Magnus Berglund, diretor de acessibilidade do Scandic Hotels Group, disse que sua empresa é um exemplo de uma empresa que se beneficiou financeiramente, concentrando-se nas necessidades dos hóspedes com mais eficiência, melhorando o produto e educando a equipe do hotel, do concierge aos faxineiros.

Ele disse: “Nós ganhamos dinheiro extra e temos mais negócios apenas educando as pessoas sobre o que estamos fazendo. Precisamos educar todos no setor de turismo. O foco tem que estar nos convidados.

Geoff Adams-Spink, consultor em igualdade para pessoas com deficiência, alertou que o futuro do setor pode ser comprometido se não se adaptar adequadamente aos requisitos de acessíbilidade dos clientes.

Ele disse: “Se você não se adequar, a indústria de viagens não terá o futuro brilhante que eu acho que tem. Sabemos que a demografia da sociedade está se movendo para mais e mais pessoas acima de 60 anos e 65 anos e sabemos que, à medida que as pessoas envelhecem, adquirem deficiências”.

Compartilhe

Use os ícones flutuantes na borda lateral esquerda desta página

Envolva-se em nosso conteúdo, seus comentários são bem-vindos!

7

2 Comentários

  1. Andrea

    Excelente matéria! Diariamente me sinto ofendida com a falta de acessibilidade das calçadas, entradas de lojas, vagas irregulares, banheiros inadequados, etc.. Vivo encaminhando email para as empresas mas elas me ignoram. Onde denunciar?

    Responder
    • Ricardo Shimosakai

      O que causa mais impacto, é você pedir para falar na hora, com o proprietário ou gerente. Mostrar o que está de errado e exigir uma adequação. Também publicar isso na internet, no mínimo irá incomodar bastante, ninguém quer ver consumidores falando mal de seu próprio negócio.

      Responder

Deixe uma resposta

banner lateral acervo digital acessibilidade e inclusao no turismo
Booking.com
Book Hostels Online Now

Siga-me no Twitter

Artigos relacionados

Pin It on Pinterest

Shares
Share This
%d blogueiros gostam disto: