Cortando cabelo com acessibilidade. Dispensando a cadeira de barbeiro.

por | 3 ago, 2019 | Inclusão | 2 Comentários

Esta é uma das poucas questões que eu (Ricardo Shimosakai) nunca fiz questão de ter uma opção acessível, a cadeira de barbeiro. Me sinto muito mais confortável em minha própria cadeira de rodas, então sempre corto o cabelo sentado nela.

As cadeiras de barbeiro, tem um desenho tradicional, robusta, com controle de altura e apoio para os pés e braços. Mas geralmente, a altura mínima que ela alcança, ainda é alta para um cadeirante fazer a transferência. Além disso, os apoios de braços costumam ser fixos, o que cria uma barreira no processo de transferência.

A primeira vez que fui cortar o cabelo depois de cadeirante, eu conversei com o barbeiro para encontrar a melhor maneira de cortar meu cabelo. Eu achava que as cadeiras, pelo tamanho, eram fixas no piso, mas mesmo assim resolvi perguntar. E qual foi a minha surpresa quando vi que é possível arrastar ela para o lado sem grandes dificuldades.

Então pensei que, se colocasse aquela capa protetora, seria possível cortar o cabelo sem sair da cadeira de rodas. É claro que pode ficar um pouco baixo para o barbeiro, mas isso também não é a maior das dificuldades. Mas a acessibilidade precisa estar presente no espaço, e ter condições de entrar e circular com facilidade.

Para finalizar, geralmente o cabelo também acaba caindo em algumas partes de sua cadeira de rodas, então antes de sair é bom dar uma checada e tirar o excesso de cabelo que ficou espalhado.

Para pessoas com maior dificuldade, é possível conversar com alguns barbeiros e pedir para eles cortarem o cabelo na sua própria casa. Por muitos anos, quem cortava meu cabelo era minha mãe. É claro que não era tão difícil, pois eu não queria nada além de diminuir o comprimento e volume. Então somente uma capa, tesoura, pente e uma maquininha de cortar cabelo resolviam.

Compartilhe

Use os ícones flutuantes na borda lateral esquerda desta página

Envolva-se em nosso conteúdo, seus comentários são bem-vindos!

7

2 Comentários

  1. Ednilson Blanco

    Ricardo, sou arquiteto e há alguns meses fui consultado a respeito de executar um projeto para uma barbearia com estúdios de tatuagem, massagem, depilação. Infelizmente não foi adiante. Uma das minhas sugestões era essa, o cadeirante permanecer na cadeira de rodas, com a elevação do piso com leve rampa, de forma que o cadeirante ficaria um pouco mais alto para o cabeleireiro ter mais conforto no trabalho, ergonomia. Mas tive algumas dúvidas, como por exemplo: lavagem do cabelo, depilaçao, tatuagem…gostaria de entender como o cadeirante enfrenta essas situações para poder melhorar meus projetos. Se vc quiser me ajudar, gostaria muito de conversar com vc.
    Obrigado!!

    Responder
  2. Ricardo Shimosakai

    Elevar o piso, na verdade seria mais uma dificuldade ao cadeirante. Para um cadeirante adulto, com estatura mediana como eu, não creio que criaria uma dificuldade tão grande a ponto do proprietário ver a necessidade de uma elevação da cadeira de rodas. A não ser que o número de serviços fosse muito grande. Mas há que se considerar os cadeirantes com baixa estatura, isso dificulta bastante. Nesta matéria considerei somente o corte de cabelo, então para a lavagem, depilação, tatuagem e outros serviços de estética, outras adaptações devem ser consideradas. Atualmente trabalho com consultorias, para orientar profissionais, inclusive arquitetos. Mas também estou elaborando um curso (presencial e online) onde ensino conceitos e soluções muito além das leis e normas.

    Responder

Deixe uma resposta

banner lateral acervo digital acessibilidade e inclusao no turismo
Booking.com
Book Hostels Online Now

Siga-me no Twitter

Artigos relacionados

Pin It on Pinterest

Shares
Share This
%d blogueiros gostam disto: