Documentário “B1 – Tenório em Pequim” revela superação de judoca brasileiro

por | 11 set, 2010 | Acessibilidade | 2 Comentários

“Judô para mim é um ensinamento de vida. Ensina a perder e a ganhar”. Com essas palavras, o judoca brasileiro Antonio Tenório define sua paixão pelo esporte que o tornou mundialmente famoso. “B1 – Tenório em Pequim”, de Felipe Braga e Eduardo Hunter Moura, acompanha a trajetória do judoca nas Paraolimpíadas de Pequim, em 2008, onde ele conquistou a quarta medalha de ouro em sua categoria.

“B1 – Tenório em Pequim”, que estreiou dia 3 de setembro em São Paulo, Rio, Curitiba e Porto Alegre, acompanha Tenório desde a conquista da vaga para representar o Brasil, passando por seu treino e preparação, até as lutas que renderam a medalha de ouro. Os diretores, ambos estreantes na direção de longa, buscam não apenas o atleta, mas o homem que existe por trás do esportista, portador de uma deficiência visual de classe B1, que significa totalmente cego.

O que sobressai na figura de Tenório, mais do que a garra, é o seu companheirismo e senso de responsabilidade. São especialmente bonitas as cenas em que ele, judoca experiente, dá apoio e consolo aos mais jovens. Ele é praticamente uma figura paterna a inspirar confiança. Braga e Hunter Moura sabem dosar bem no documentário os momentos em que Tenório está lutando no tatame e aqueles em que conversa diretamente com a câmera falando de suas ansiedades, angustias e alegrias – muitas delas ligadas ao judô e às competições.

Com cenas filmadas no Brasil, França e China, “B1 – Tenório em Pequim” traça um retrato interessante e raro sobre judocas com deficiência visual contando com a participação de diversos esportistas que cruzam o caminho de Tenório. Partindo de uma parcela particular de esportistas, o documentário abrange a importância da Paraolimpíada e dos esportes na vida dessas pessoas.

Como bem diz um atleta, o judô é um dos melhores esportes para deficientes visuais, pois a luta só começa quando um lutador toca no corpo do outro. Ao narrar a trajetória de Tenório, Braga e Hunter Moura fazem um documentário emocionante sem nunca cair na pieguice. A vitória por si só já é emocionante e, quando acompanha a superação de uma adversidade, como a do judoca, ganha ainda mais força.

Compartilhe pelos ícones flutuantes na borda lateral esquerda desta página!

2 Comentários

  1. Rafael Ramos (Latino)

    Já tive a grande sorte de treinar com esse grande mestre, que sempre nos ensinou. Grande abraço Tenorio te esperamos na FIGHT GYM JIU-JITSU. OOOOOOOOOSSSSSSS,

    Responder
    • Ricardo Shimosakai

      Aprendi muito com o esporte, e considero uma das maiores ferramentas de inclusão. Considero Tenório um de nossos maiores atletas. Num esporte tão competitivo como o judo, ganhar 4 medalhas de ouro em paraolimpíadas é um fenômeno

      Responder

Deixe uma resposta

Acervo Digital Acessibilidade e Inclusão no Turismo

banner lateral acervo digital acessibilidade e inclusao no turismo

Assine!

Siga-me no Twitter

Artigos relacionados

Pin It on Pinterest

Shares
Share This
%d blogueiros gostam disto: